1 de abril de 2015

Musicoterapia BH - Dia Mundial da Conscientização do Autismo.




ABRIL, mês de:
 Conscientizar sobre o Autismo!

2019

Raisa Ribeiro - Estudante de Música no Amapá
participou do evento e ganhou no sorteio!

Musicoterapia BH participou mais uma vez das atividades propostas por grupos de pais e demais profissionais das áreas da saúde e educação, afinal informar é sempre o primeiro passo.
                   
Nossa contribuição, uma Roda de Conversa sobre os Benefícios da Musicoterapia no TEA! A proposta, realizada em parceria com nossa querida colega Mt Meiry Geraldo do Galeria Aut, com Mt Gabriel Estanislau vai ser seguida pela apresentação da Ana Carolina Steinkopf que vai fala soa a Sinfonia Diferente!
A Mt Meiry Geraldo é nossa fiel companheira nos eventos e estudos sobre o tema e esta ligada aos grupos de pais e associações de forma ainda mais ampla pois é mãe de um jovem que apresenta o diagnóstico. Ainda este mês ela irá lançar um liros escrito em parceria com outras mães: Unidas pelo Autismo.

2012, primeira comemoração da data em BH
Com Mt Meiry Gerlado e seus filho Srah e Arthur.

            Benefícios da Musicoterapia 
                       no Autismo

A proposta é deixar que as perguntas dos presentes e algumas já enviadas pelas redes sociais direcionem a temática.

Tè importante experimentar o som, a música e ritmo com o grupo em atividades para ampliar nossa percepção sobre o tema:
Fundação de Educação Artística 2019.

Mas sabemos que temas relacionado à Fala e Linguagem serão abordados, afinal são aspectos importantes do desenvolvimento humano.

A habilidade da Fala torna simples a expressão da subjetividade do ser e facilita, para o outro e para a sociedade, a compreensão sobre seus desejos e sobre a sua forma de entender e se comportar no mundo. Mas a fala é uma das formas de expressão, mesmo na sua ausência toda uma personalidade pode estar construída e ávida por se manifestar de alguma forma.



A pessoa Autista apresenta com frequência alterações na linguagem e na fala, com comumente estes se tornam os aspectos de maior demanda nos processo terapêuticos desta população.

O interesse pela Música e até mesmo uma facilidade para tocar instrumentos musicais, pode ser observada nas pessoas Autistas. É comum o relato dos pais sobre o quanto as crianças, mesmo com poucas expressões de fala funcional, são pequenos cantores, memorizando canções e reconhecendo melodias.


Relato da Mãe sobre a Musicoterapia 
Créditos da entrevista - Alunos do curso de Jornalismo da PUC - São Gabriel.
O áudio que faz parte de um trabalho dos universitários sobre o tema.


Ao longo de nossa experiência no trabalho como musicoterapeuta percebemos que o SOM, a MÚSICA e o RITMO são canais de expressão importantes para estes indivíduos.   

Perguntas respondidas durante o evento!
Rolou sorteio! Ficou sem o seu Sapo Reco Reco?
                                          Loja Virtual #saporecorecomusicoterapiabh

O Mt Gustavo S. Gattino, em seu livro Musicoterapia e Autismo (Ed. Memnon de 2015), compilou informações preciosas sobre o TEA,  coletadas em vários estudos e de autores diversos. No livro encontramos informações relevantes, tanto sobre  os aspectos neurofisiológicos, quanto sobre fatores bioquímicos encontrados nesta população e seu trabalho primoroso nos brinda com argumentos que se tornam preciosos. 



                                                             Musicoterapia BH indica!


Torna-se importante entender mais sobre estes assuntos. Afinal, para se fazer ciência é necessário  sustentar o que se observa na prática clínica com argumentos respaldados por pesquisas realizadas em centros acadêmicos.

Ressaltamos aqui uma observação pessoal: principalmente no caso do Autismo, que apresenta tantas formas de e manifestar dentre os indivíduos com diagnóstico, a clínica se faz soberana. A experiências mostra que este sujeito, ao fazer música, se torna mais capaz de interagir com o meio, se auto-regular e alcançar ganhos globais.  


 Evento Lagarta Vira Pupa em BH 2014.
Roda de Música Musicoterapia BH.

Um argumento que reforça nossa experiência pode estar relacionado ao fato da Música ser processada principalmente no córtex auditivo primário, região na qual não foram observadas alterações dentre os indivíduos que apresentam o Autismo. 

A PREVISIBILIDADE, encontrada na Música e principalmente nas composições simples, pode ser um elemento que facilita a compreensão da pessoa com Autismo, favorecendo a interação. Por este motivo para alguns indivíduos com Autismo a Música se torna mais interessante do que a sonoridade da FALA, visto que nas áreas especificas para compreensão para sons específicos, alguns indivíduos apresentam alterações. 

Mas a Música não é só previsibilidade, ela pode  apresentar um ELEMENTO SURPRESA, ou este pode ser criado pelo Musicoterapeuta durante a a interação sonora. Estes elementos relacionados aos parâmetros musicais e estritamente ligados aos processos cognitivos também favorece a interação. Usando este recurso podemos trabalhar de forma lúdica um ouros fator necessário e importante para a pessoa autista como a  capacidade de se FLEXIBILIZAR! (Considerações sobre a prática clínica no espaço #musicoterapiabh).


  
               No site do Galeria Aut estão alguns artigos sobre o tema, confirma!
              Outras iniciativas de apoio ao dia da Conscientização sobre o Autismo nos anos anteriores:
               
              Musicoterapia BH e Galeria Aut em 2018
                    
GRATUITO:

                       Cada vez um número maior de crianças recebe este diagnóstico.
                      Foi no ano de 1985 que recebemos o primeiro paciente com o diagnóstico de Autismo, desde então a temática sempre ocupou nosso foco de estudo. cada dia se estuda e publica mais sobre o assunto Autismo, mas precisamos saber ainda mais. Principalmente  para poder colaborar de forma efetiva, para que todas as pessoas com Autismo possam desenvolver todo o seu potencial.

                     Muitos se mobilizam e dão urgência para a tarefa de entender por que o Autismo esta mudando o rumo da vida de tantas crianças, de tantas mães, de tantas famílias e de toda a sociedade.

                     O Autismo muitas vezes surge depois que a criança soprou as velinhas dos seus primeiros anos de vida. Crianças que já estavam festejando, cantando, interagindo, falando algumas palavras e demonstrando os traços da sua subjetividade. Vinham se tronando um membro ativo e desejante dentro da família e ocupando o lugar que já existia no imaginário dos pais. 
                    
                    Então este sopro do destino que chamamos autismo aparece para apagar, ofuscar, embaralhar ou desorganizar os canais de troca com o mundo externo, tronando o desenvolvimento uma outra jornada, muito mais desafiadora.

                                       



                     Atualmente uma metáfora ouvida há muito tempo parece martelar na nossa mente. Vamos reconta-la agora, fazendo nossos remendos literários... caindo nos erros inevitáveis de nossa língua pátria... Mas escrever é, para nós, um bom remédio para elaborar as inquietações e acalmar a dor que não deixa de doer. Mesmo depois de 30 anos trabalhando com o autismo, sempre que um novo rostinho entra em nosso coração e em nosso consultório ainda vivemos um pedacinho de angústia diante deste gigante invisível chamado Autismo. Na Musicoterapia a criança poderá encontrar no cantar, no brincar com a música e na experiência com os instrumentos musicais uma forma de se desenvolver. Então, segue nosso remendo literário:


Um gigante invisível chamado autismo.

                     Era uma vez um vilarejo que cresceu ao lado de um riacho de forte correnteza. Tudo por lá girava ao redor daquelas águas que corriam e corriam sem parar,  renovando e mudando, sempre. Tudo era uma eterna novidade pois as mesmas águas jamais passavam novamente por sob a ponte que ligava as margens. O som das águas cortava as pedras com sua lâmina do tempo e criava uma paisagem sonora que se tornou o fundo musical para todos os demais ruídos daquele lugar.

                    Certo dia, um grito de criança  desceu na correnteza, aparecendo e sumindo pelas águas do rio. Este som atravessou todas as orelhas, moveu todos olhos e fez todos os corações e mentes tomarem o rumo da margem, como um grande batalhão.

                    Não houve mão que não se unisse para salvar a criança e a corrente humana fez cumprir o seu papel, dando ao pequeno o colo quente e refazedor de que tinha direito.

                   Todos ainda se recobravam do ocorrido e procuravam cuidar da criança, mas outra vez o som infantil de rasgar a alma martelou no tímpano. Desta vez os gritos estavam mais forte e com nuances de timbres, pois a correnteza fria trazia em rodo mais duas crianças...

                   Rapidamente as mãos voltaram a se entrelaçar, estavam mais eficientes já que experiência anterior ainda estava fresca e não  havia encontrado seu lugar de guardada na tal massa cinzenta. Com mais rapidez e organização todos tralharam e foram salvas mais duas crianças...

                    Não foi suficiente o tempo de se refazer e de cuidar dos pequenos  e novos gritos, agora dodecafônicos, desciam entoando um som daqueles de que não se tem desejo de lembrar jamais.

                    As mão geladas e torpes de cansaço tinham que voltar a lutar contra a correnteza e todos se moviam numa cadencia acelerada, como se o tambor do peito estivesse com um metrônomo em pretíssimo que era ouvido por todos.

                   Foi então que um elo da corrente humana se desprendeu e tomou o rumo na trilha que subia paralelo a margem em sentido contra a correnteza. Todos se surpreenderam e esbravejaram a sua ausência, mas seu argumento era único e fez cada um dos demais vibrar por seu sucesso. A voz decidida do elo desgarrado se fez ouvir em um grito, sem olhar para traz:

                    -  Precisamos saber o que, ou quem está jogando nossas crianças no rio... Precisamos saber sobre sobre este gigante invisível...



                     Agradecemos e parabenizamos a todos que de alguma forma estão subindo a trilha que fica paralela a margem do rio... todos que estão lutando contra a correnteza e buscam de alguma forma colaborar e construir novas formas a apoiar a pessoa, a família e a sociedade.

             Precisamos saber mais sobre este gigante invisível que se chama Autismo. 






http://omundodepeu.blogspot.com.br/




Mt Líliam Coimbra no Pupanique


Artigos relacionados

0 comentários:

Postar um comentário

Posts Populares

Tecnologia do Blogger.